quarta-feira, 22 de abril de 2009

Campanha Paz nos Estádios

Belo Horizonte (Nunca é tarde...) – O Campeonato Mineiro chega a reta final e, como era de se esperar, Atlético e Cruzeiro estão na final. Como aponta o ótimo trabalho realizado pelo O Canto do Galo, o derby já ocorreu 440 vezes.

Há menos de uma semana para o início das finais, bate aquela vontade danada de ir a campo para ver o Glorioso de perto, torcer pelo triunfo diante do maior rival e sair do terreiro com o peito estufado e orgulhoso pela vitória. Entretanto, já não tem mais sido assim. As inúmeras histórias de violência que circundam o jogo tem feito muitas pessoas (inclusive eu) desistir de ir ao clássico ver o Galo de perto.

Hoje, e infelizmente só hoje (mas sempre é tempo, não é?), vi que existe um movimento entre blogueiros contra este absurdo que se tornou a rivalidade futebolística. É a Campanha Paz nos Estádios – Blogueiros Unidos em Busca de Justiça, iniciada pela Casa do Torcedor e pelo Terreiro do Galo.

Este é um ótimo momento para trazer o assunto à tona, pela proximidade das finais do Mineiro. O FEF apóia irrestritamente esta campanha e, a partir de agora, o banner estará aqui ao lado para que não nos esqueçamos nunca de que lugar de torcedor é no estádio. De marginal, na cadeia.

Ah! O texto de lançamento da campanha está
aqui.

20 comentários:

Tom disse...

Concordo com a iniciativa e me alinho tb àqueles q abandonaram as arquibancadas de outrora em razão da violência dentre outras coisas ( times e diretorias ruins , setorização do estádio te fazendo sentir como gado, viollência institucional tb- leia-se polícia que não faz nenhuma questão de distinguir o joio do trigo) , mas sendo esta a principal.
Agora tem um detalhe que seria irônico se não fosse trágico: todas as vêzes que deflagram estas campanhas o pau quebra, seja dentro de campo ou fora dela....pulsão de morte, insatisfação crônica, o eterno mal estar....

eliana disse...

A violência anda grassando (e desgraçando)no futebol brasileiro, afastando os verdadeiros torcedores, que já são tolhidos pelos horários obcenos dos jogos, e deixando espaço para os marginais, que transformam os estádios e entorno numa verdadeira praça de guerra. Infelizmente, Toda essa violência, que não envolve só o futebol nem só o Brasil, ocorre porque o ser humano perdeu o respeito pelo seu semelhante, assim, qualquer diferença, por mais banal e simples que seja, é motivo de confronto e represália. Talvez, ao contrário do Lennon, eu não seja uma sonhadora e nem seja a única, mas não acredito que isso vá mudar, o que não me impede de apoiar esse tipo de campanha.

Tom disse...

Adoro a escrivinhança da Eliana. O final do seu argumento é perfeito e primoroso.
Infelizmente sou meio que cáustico.
O ser humano nunca se respeitou mutuamente.
O que impôs esta respeitabilidade foi o processo civilizatório, na maior parte das vezes construido à ferro e fogo.
Hoje, temos tecnologização excessiva e tb uma perda total de referências mediatórias, onde a autoridade (alteridade) sucumbe ao poder.
Que coisa. Toda esta viagem para dizer que jamais seria contra a esta iniciativa, mas que vire e mexe dá uma zica, isto dá.
A paz sempre foi tão expontânea quanto efêmera, parece que se recusa a ser organizada.....

Jason Urias disse...

Tom, como disse o Leão, ontem, após o jogo, perguntado sobre o que ele teria a dizer sobre a Paz no clássico: "Eu acho que não tem que haver paz nenhuma. Tem que haver é respeito".

E não é?

Tom disse...

exatamente jasom....

Gus Martins disse...

Compartilho da fala de todos!

Curiosamente, quando Jason me mandou um mail falando do banner que colocaria no blog, sobre a campanha, logo respondi que estava pensando em um ensaio sobre o assunto.

Época de clássico acaba nos remetendo a isto, porque invariavelmente a tragédia é tão previsível quanto inevitável.

Espero que em alguns dias eu realmente consiga trazer algo mais para contribuir com a discussão. Nesse meio tempo, desejo que o tudo corra bem no domingo, mesmo sabendo que não correrá...

Breno disse...

Jason, eu adoro ouvir as coletivas do Leão, para cada pergunta, ou especulação ridícula um tiro. Mas ninguém melhor para falar em paz nos estádios do que ele, e como o futebol vive de rivalidade a palavra melhor aplicável não é paz, pois paz seria em uma batalha, guerra e afins... Chegamos ao ponto onde que se exige paz nos estádios, porque são aqueles bandidos de torcidas organizadas que vão para o campo com o intuito de confrontar com policiais e torcedores rivais. Por isso sim sou a favor do respeito, da responsabilidade para com o outro. E aos demais concordo plenamente, principalmente com o Tom ao enaltecer as palavras bem colocadas de Liana que até hoje nada escrevera em post. Rs!!!
Agora é aguardar Domingo.
Amplexos

Jason Urias disse...

Digamos que a Paz seja um sub-produto do Respeito.

Tom disse...

Mas tem uma outra mulher que escreve regularmente e achei que se tratasse da própria.
Menos mal, gosto das letras da que achei que era e tb da que achei que era e não era.
Mulheres são várias, graças a "Deuso", né malandragem.....

Anônimo disse...

Por falar em coletiva do Leão vcs viram esta entrevista do Kalil na Tv Galo?
http://www.tvgalo.com.br/#Topo
Se não rolar vejam a palavra do presidente em videos em destaque na home da Tv Galo.

Gus Martins disse...

Ah, tom... acho que a mulher que vc não achou que era é sim a que é.... hehehehe.
Eliana e Liana são a mesma pessoa... hehehe

A menos que você tenha confundido com Beth. Porque Beth é O Beth, e não A Beth.
hehehe!

Expliquei ou confundi mais? Putz!

Gus Martins disse...

Ah, e Breno falou que ela nunca escreveu post... é porque ela sempre comenta... mas nunca Criou um...

Rodrigo disse...

A questão dessas campanhas, na verdade daquelas patrocinadas pelas autoridades (o aperto de mão pretendido entre Perrella e Kalil) é que só servem pra disfarçar. Dão a impressão de que as "autoridades" estão fazendo seu papel para acabar com a violência, como se aquilo fosse tudo que elas pudessem fazer.

Por que ninguém tem coragem de acabar com as organizadas?

Tom disse...

Ai ai ai, beth ser "O" e não ´"A" aí é complicado preu aqui, mero mortal e acostumado com ElizaBETHs....paixão não, nas ô saudade....hehehe.

Jason Urias disse...

Gus, o Breno criou um post sim. Foi o texto inaugural (e único, até agora, hein gente!) da coluna "Associação Livre".

Gus Martins disse...

Ah, não fui claro na escrita.... Eu quis dizer que:
Breno falou que Eliana comenta, mas elA nunca criou um post...
Daí a dúvida do Tom, já que ela sempre aparece por aqui.
Aparece como coment, e não como post....

Tom disse...

Eu prefiro coment até pq quem fica parado é "post".....

Jason Urias disse...

Viajei na maionese. Sorry.

Gus Martins disse...

Hauhuahuahua!

Tom disse...

estou aprendendo a nomenclatura.
Post = texto
Comentário = pitacos nos posts.
para eu aqui era tudo a mesma coisa coisa, postagens, nada mais que postagens, hehe.