domingo, 6 de fevereiro de 2011

Galo no Divã: Atlético MG 4 x 1 Tupi

("Nada é mais humano que o crime" J. A. Miller)

E o dia começa com mais uma desagradável notícia direta e indiretamente ligada ao futebol. E numa semana em que uma outra também poderia ter acontecido. Já discutimos sobre coisas assim por aqui. Não é só entre torcidas, a coisa atinge a todos. Somos vítimas de nós mesmos. Do mais desprezível e demasiado humano.
Mas como Eros ainda tenta dar alguns suspiros, voltemos a nossa paixão.

Com o dedo do técnico e os pés do atacante.
Renan Ribeiro: O que era pra pegar, pegou. O que não dava, foi o gol deles.
Patric: Esteve bem no primeiro tempo, apesar de ainda faltar algo do entrosamento.
(Neto Berola): A empolgação dele quando sai do banco pra partida é notável! Mandou no jogo.
Rever: No primeiro tempo ajudou mais no ataque que na defesa. No segundo voltou a ser o gigante lá atrás.
Werley: Ainda falta muito para reviver os melhores momentos que teve no Galo.
(Mancini): Está seco pra fazer um bom papel, mas ainda tropeça muito nas próprias pernas.
Leandro: O mesmo ineficiente de sempre. Mas mostrou garra quando precisou ajudar na defesa.
Richarlysson: Inconstante e às vezes precipitado.
Serginho: Seguro lá atrás. Ainda não voltou a ser o grande no ataque.
Ricardinho: Às vezes conseguiu fazer o que sabe de melhor, controlar o ritmo do jogo. Outras, atrasou.
Renan Oliveira: O DJ é mais paciente (e inteligente) que eu. Esperarei seu julgamento.
Magno Alves: O vovô queima minha língua mais uma vez. E as redes, mais duas.
Diego Tardelli: Pé descalibrado e lentidão atípica (será o incômodo com o tornozelo?)
(Zé Luis): Mostrou que a velha segurança e frieza estão garantidas para o clássico.

Dorival Júnior: Arma bem o time. Os jogadores não correspondem, ele vai lá e mexe melhor ainda.

Impressionantes primeiros 15 minutos de jogo, pela diferença em relação ao jogo passado. A disposição dos jogadores e organização do time em campo foram surpreendentes e o Galo tinha tudo para engolir o Tupi logo de cara. Mas faltou competência nas finalizações. Tardelli dando tiros tortos e Renanzim com o velho chute de moça (não a Marta) perderam boas chances. Aí o galo fake foi se aprumando e nosso time permitiu que o Previsível Futebol Clube entrasse em campo. Jogada pela linha de fundo, zaga atrapalhada, gol do Tupi. Pouco depois fui pagar uma de motorista da família e fui acompanhar pelo radinho. Dos 30 minutos pra frente o desastre poderia ser maior se o autor do gol não fosse destemperado pra levar 2 cartões na etapa. E o juiz, lendo a regra ao pé da letra, nos permitiu ficar em vantagem.

O segundo tempo chegou antes de mim. Eu aqui, ainda atordoado com a notícia, perdi o gol de empate (no bom estilo berola). Vi o Tardelli errar uma na cara e fiquei sabendo que antes o Magno Alves fizera o mesmo. Mas este se redimiu. Com boa velocidade e visão, virou a partida. Assim como o adversário, logo que tivemos a vantagem no placar, perdemos um jogador. Richarlysson ao receber o segundo cartão amarelo me deixou mais apreensivo quanto a próxima partida do que a esta que ainda estava correndo. O Galo não perdeu o rumo e continuou pra cima. Aí o Berola serviu o Magnum-35 que emplacou mais um. A coisa estava ficando fácil e entre chances perdidas, Neto Berola fez aquilo que por muito tempo apostamos e desejamos que fizesse. Na raça, dominou a bola na área, deixou de lado o 'cai-cai' e chutou com uma firmeza que não é de seu feitio. Depois dos 30, diminuiu o nível e o Previsível quase retornou. Mas antes dele entrou em cena nosso grande goleiro que tratou de fazer duas grandes intervenções e espantar qualquer desastre (é, Arsenal!!)

Pois bem. Para repetir. Campeonato Mineiro deve ser isto. Atropelar os times pequenos. Essa era a obrigação. Agora é melhorar. O DJ não é bobo e sabe que há muito pra mexer. O clássico (prematuro, ao meu ver, por não termos nenhuma das 2 equipes no auge da forma e organização) será uma grande prova. Valeu pela rápida mudança de postura do time no início dos tempos, mas os finais ainda precisam ser corrigidos.

("But I still got the blues..." R.I.P. Gary)

5 comentários:

Jason Urias disse...

A apatia (?) do Tardelli foi visível.

O Richarlyson confirmou a fama de 'expulseiro'...

O Berola, começa a ter a de pé quente...

No mais, é isso mesmo: respeito a time pequeno é bola na casinha.

Breno disse...

O Richarlyson confirmou a fama de 'expulseiro'...[2] Preocupante isso, ainda mais que aqui os jogadores começam a querer jogar para a massa e esquece de esfriar os ânimos, se não fosse nesse jogo com certeza estaria expulso no clássico.

Ressalto que o Goleiro deles tbm pegou muito, embora o fator afobamento dos nossos atacantes ajudou no seu êxito temporário.

No mais... não prestei muito atenção, pois estava curtindo OP.

Graziele disse...

Se a gente tem o Richarlyson eu não entendo pq não podemos contratar a Marta!

Tom disse...

Apoio a Graziele, Marta para a concentração já!

elianA disse...

Correndo o risco de parecer feminista, acho que deveriam pegar esse pessoal das organizadas e aplicar uma overdose de progesterona neles.